Buscar

Donos de áreas ocupadas por índios pedem apoio de comerciantes e da OAB

Com apoio do Sindicato Rural, entidades emitiram nota de repúdio à invasão de propriedades no município de Dourados e pediram celeridade na reintegração de posse das áreas

Proprietários de áreas invadidas reunidos na Aced, hoje cedo (Foto: Eliel Oliveira)

Proprietários de sítios ocupados por índios no município de Dourados, a 233 km de Campo Grande, recorreram hoje (17) às entidades de classe da cidade, para pedir apoio. Reunidos na Aced (Associação Comercial e Empresarial de Dourados), eles receberam apoio da 4ª Subseção da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), do Sindicato Rural e da própria associação que representa os comerciantes locais.

“A Aced, assim como as demais entidades, repudia a ação criminosa dos invasores e destaca a ilegalidade destas ocupações. As entidades também cobram agilidade do Ministério Público Federal na resolução do conflito e para a reintegração de posse das propriedades rurais”, afirma nota distribuída pela assessoria de imprensa da associação.

Desde o dia 5 deste mês, índios guarani-kaiowá ocupam sítios localizados na região norte de Dourados, entre o perímetro urbano e a reserva formada pelas aldeias Jaguapiru e Bororó.

Pelo menos 13 propriedades já foram ocupadas nesse local. No sábado (12), os índios tentaram ocupar a Fazenda Cristal, na divisa com o município de Itaporã, do outro lado da reserva, mas foram repelidos por funcionários e donos de áreas vizinhas.

Clima de terror – Liderados pelo ruralista Gino Ferreira, os sitiantes pediram apoio da Aced e informaram que planejam uma série de protestos contra as invasões. Diretores da entidade, representantes da OAB e do Sindicato Rural também participaram do encontro.

Os sitiantes reclamam do “clima de terror” enfrentado pelas famílias da áreas invadidas. Vanilda Alves Valentim, 32, contou que precisou fugir de madrugada com o marido e os três filhos, um dia após o sítio da família ter sido invadido.

“Peguei apenas roupas e alguns documentos. Voltamos no dia seguinte e a casa já tinha sido ocupada. Saquearam tudo o que tinha dentro e destruíram tudo o que construímos em 11 anos de muito trabalho”, afirmou.

“Mataram os cachorros, roubaram as galinhas, depredaram a casa e destruíram o mangueiro que meu esposo construiu há pouco tempo. Até os canos dos poços foram destruídos”, afirmou Vanilda, que estimou em pelo menos R$ 50 mil o prejuízo.

Outra proprietária, que pediu para não ter o nome divulgado, disse estar cercada na sede, já que os invasores ocuparam a propriedade e lá permanecem há mais de dez dias. “Morro de medo de sair e não conseguir voltar. Já botaram fogo no canavial, destruíram as cercas e roubaram as galinhas. Eles fazem terrorismo querendo que eu saia, mas não vou sair”.

Falta apoio – Os sitiantes reclamaram de falta de apoio e de medidas efetivas por parte de autoridades jurídicas e policiais. Eles disseram ser contra o confronto com os invasores, mas temem que a situação se arraste devido à passividade dos órgãos competentes, segundo a assessoria da Aced.

Os proprietários afirmaram que o próximo passo é tentar marcar uma audiência com o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida para buscar uma “solução imediata” para o problema.

Nota de repúdio - “Externamos o nosso repúdio à invasão e aos atos de vandalismo cometidos por indivíduos que se dizem representantes indígenas, contra pequenos produtores e proprietários deimóveis de Dourados”, diz a nota assinada pela Aced, Sindicato Rural e OAB.

“Pessoas com motivação ilegal e duvidosa simplesmente estão invadindo pequenas propriedades, depredando instalações, queimando pastagens e lavouras, matando animais e expulsando famílias de suas casas, sob a pura e simples alegação de que seriam os donos do lugar”, afirma o documento.

Segundo a nota, os donos das áreas têm títulos legais de propriedade, “sendo, por isso, um atentado contra as garantias individuais das pessoas e ao direito de propriedade”.

As entidades encerram a nota pedindo às autoridades competentes, em particular ao Ministério Público, “celeridade na resolução do processo de reintegração de posse das áreas invadidas”.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.